IR A IGREJA…..ASSISTIR AO JOGO….????

Publicado: julho 7, 2013 em Uncategorized

ImagemMuita coisa tem se falado sobre o jogo da nossa seleção em dia e horário de culto, e isto tem gerado mal estar em alguns corações, e cabe aqui uma reflexão a respeito.

Primeiramente quero deixar claro que não estarei entrando no mérito de se ir ou não, de se ficar ou não. O mérito aqui é o julgamento que se tem feito.

É claro e patente que não adorou verdadeiramente e peca o irmão que se julga superior àquele que ficou em casa. Também estou certo que peca aquele que não aceita a decisão do irmão que preferiu cultuar na igreja.

Não é maduro espiritualmente o irmão que foi para igreja no horário do jogo e está julgando quem não foi, assim também como não é maduro espiritualmente quem ficou assistindo ao jogo e está julgando quem foi cultuar.

A questão, prezados, é que não é MAIS ADORADOR quem abriu mão do jogo para estar na igreja, tampouco, é MENOS ADORADOR quem não o fez. Se essa fosse a medida da adoração ela seria totalmente deficiente, pois facilmente poderíamos encontrar pessoas que tem sido infiéis a Deus em muitas áreas, e que foram à igreja naquele dia, e pessoas que tem sido fiéis a Deus, e que ficaram em casa – ou julgar o que foi ou o que ficou não é um traço de infidelidade?

A verdadeira adoração deve ultrapassar, e muito, o conceito da adoração presencial no templo – Jesus queria que a mulher samaritana entendesse isso (Jo. 4.23).

Deve nos preocupar, sim, o deixar de congregar, que nos fala o autor de Hebreus (10.25), mas faltar a um culto está muito longe de ser característica daquele que não está congregando.

Sempre na adoração o que está em VOGA não é o adorador, mas o objeto da adoração. Por conseguinte, quando nos gabamos, nos jactamos e nos enaltecemos de termos adorado a Deus e criticamos quem não o fez, estaremos fazendo uma transferência horrível, pois o objeto da adoração acaba sendo nós mesmos. Ou seja, prezados, o mérito deve ser sempre do Deus digno da adoração e, jamais, do adorador!

Por isso, parece-me estranho alguém que tendo adorado, não tenha outro sentimento que não seja o da fragilidade, o da miserabilidade, e o da consciência da total falta de merecimento de qualquer ato de bondade da parte do nosso Deus. Dessarte, quem adorou de fato e de verdade, não encontrará espaço na mente e no coração para o julgamento do seu semelhante. Basta ver entre o fariseu e o publicano (Luc. 18.14), qual deles desceu para casa justificado. Notem! Jamais o verdadeiro adorador se gabará de ter adorado e, muito menos, julgará quem não o fez!

Finalizando, acho muito perigoso quando limitamos nossa adoração apenas ao culto no templo, uma vez que depois do domingo vem a segunda, a terça, a quarta, e os demais dias da semana, e em todos eles o nosso Deus deve ser adorado verdadeiramente, e quer ser o centro de nossas vidas e, provavelmente, prezados, a primeira e maior adoração que podemos prestar ao nosso Deus todos os dias seja a de estar andando como o Seu Filho Unigênito andou.

Agora, encerrando mesmo essa reflexão, quero deixar algo para pensarmos: Como deverá ser de fato o nosso culto racional, conforme Paulo nos exorta a prestá-lo em Rom. 12.1? Parece-me que não tem muito a ver com o culto no templo. Vale a pena conferir todo o texto.

Que o Senhor nos ajude a compreendermos melhor sobre as reais implicações da verdadeira adoração.

soli deo gloria.

Pr. Élio Morais

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s