“POVO MARCADO, ÊÊÊHHH, POVO FELIZ”

Publicado: junho 25, 2013 em Uncategorized

946672_447119778714157_854176612_n

Estamos vivendo um momento histórico onde finalmente o nosso povo, na maioria os mais jovens, saem às ruas para protestar contra uma série de coisas ruins que essa geração tem vivenciado e não quer mais tolerar.

O nosso país pensa e reflete sobre o seu momento. No afã de trazer uma interpretação fidedigna os formadores de opinião tem procurado fazer a leitura correta do momento histórico e têm surgido, então, muitos artigos, ensaios, tratados, enfim, há uma infinidade de textos a respeito, e esse é mais um deles.

Uma das coisas que me chamaram atenção nesses dias foi o fato de encontrar muitas pessoas saindo às ruas e nem sabendo por qual motivo saíam. É estranho isso, precisamos saber o que nos move! Precisamos saber qual é a nossa paixão! Precisamos saber sobre o que protestamos, senão nos tornamos massa de manobra. Tenho certeza que esses jovens que saíram às ruas não querem ser marionetes, joguetes, nas mãos de outras pessoas, mas, se não cuidarem, se não souberem sobre o que protestam e o que os movem, certamente serão muitíssimo influenciados, se já não estão sendo.

Chamou muito a minha atenção quando li um “post”, numa rede social, de uma jovem que dizia assim: – Fala sério que hoje vai ter protesto de novo? Digam-me: onde vai ser? Pra mim estava claro que o protesto era muito mais um programa para um fim de tarde do que uma manifestação pública por direitos, por ordem, por decência, por honestidade. Volto a dizer: Se não tivermos muito bem definido em nossa mente o que nos move e aonde queremos chegar, seremos alvos fáceis dos manipuladores.

Mas o que saltou aos olhos de todos e preocupou bastante foram os baderneiros que se infiltraram e quase “melaram” o momento histórico vivenciado. E aqui cabe uma reflexão à parte: Quantos baderneiros se infiltraram, e quantos “manifestantes” sem motivo, sem paixão, sem alvo, saíram para protestar e se tornaram massa de manobra de gente má, que sabia exatamente o que queriam quando começaram a destruir o patrimônio público e privado?

Sou um formador de opinião, sou pastor, e devo dizer com todas as letras: A hostilidade e a agressão são irmãs, são amigas, andam juntas de mãos dadas e, muitas vezes, camufladas sob a bandeira de algo justo e louvável seu objetivo é a anarquia e a destruição.

O famosíssimo escritor George Orwell, em seu livro “Lutando na Espanha”, disse algo incrível e que deve ser levado em consideração em momentos como esse:

“Uma das características mais terríveis da guerra é que toda a propaganda, toda a gritaria, as mentiras e o ódio, vêm invariavelmente das pessoas que não estão lutando.”

Estou certo de que quando alguém sai às ruas para protestar sem saber sobre o quê, poderá ser manipulado, sim, por pessoas más, que sabem exatamente o que querem. Por isso, da próxima vez que sair às ruas para um protesto pergunte a você mesmo: O que está me movendo? Qual é a minha paixão? Qual é o meu ideal? O que eu quero para a minha geração e para a geração dos meus filhos? Proteste com responsabilidade.

Pr. Élio Morais

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s